terça-feira, 29 de novembro de 2016

A Benção Madrinha

     Na última quinta-feira, enquanto andava pela rua, avistei uma senhora, com o rosto conhecido da Igreja, que vinha conversando com outra mulher. A cumprimentei e segui meu caminho, entretanto não pude deixar de ouvir quando a acompanhante da mesma, continuando a conversa, fez o seguinte comentário:
    - A Igreja Católica está cheia de palhaçada pra batizar agora! - ao que a senhora de rosto conhecido respondeu: - É verdade.
     Sinceramente, essa situação me incomodou bastante. Por ela estar falando mal da igreja? Não! Por ter chegado a conclusão que mais uma criança seria batizada por pais que não compreendem a importância desse sacramento ou dos padrinhos.
Essa figura tem sido distorcida por nossa cultura materialista e se tornado uma simples máquina de dar presentes e mimos, quando deveria ter um sentido bem mais profundo.
     Nos contos infantis, as "fadas madrinhas" aparecem para seus afilhados em momentos de apuros e lhes oferecem suções mágicas, mesmo que os afilhados ne sequer soubessem de sua existência até poucos minutos. Tenho em São Paulo a figura do primeiro padrinho dentro da igreja católica e vejo o cuidado dele com as comunidades por onde passou o equivalente ao que espero dis padrinhos de meus filhos.
     A principal função dos padrinhos é auxiliar os pais na formação cristã dos afilhados ou até substituí-los nessa função em caso de ausência e/ ou omissão dos mesmos. Sendo assim, antes de ter uma boa relação com os pais ou uma boa condição financeira, o padrinho escolhido deve ter uma relação de intimidade com Deus. Ser um exemplo de vida. Como exemplo, digo que o padrinho deve  seguir aquilo que a Igreja indica a seus fiéis e estar em dia com seus sacramentos.
     Isso inclui ser crismado, viver a castidade (sendo solteiro ou casado, mas principalmente sendo casado) e não viver uma situação que o impeça de comungar.
Uma outra característica importante dos padrinhos é a participação ativa na vida do batizando, afinal, lembrar dos afilhados apenas no natal e no aniversário fere seu verdadeiro objetivo. Um padrinho presente é um ombro amigo, que conhece o afilhado tanto quanto os próprios pais, mas pode dar uma visão externa dos acontecimentos.
     Um padrinho que vive longe dos afilhados nada mais é que um "parente" distante, uma lembrança vaga. Os padrinhos devem ser aqueles que levam as crianças na missa quando os pais não podem, que inscrevem as crianças na catequese quando os pais nem sequer sabem que as inscrições estão abertas, que perguntam: "Você já rezou o terço hoje?" quando a criança chega na sua casa e está pronto para dizer: "Então vamos rezar juntos!" ao receber uma resposta negativa.
     Entendo que alguns pais tenham a intenção de eleger amigos como padrinhos de seus filhos, promovendo-os dessa forma à cumpadre ou cumadre, estreitando os vínculos de amizade, mas os parâmetros para ser amigo e padrinho são diferentes. Você pode fazer um amigo na fila do cinema, no banco de um ônibus, na internet, em uma mesa de bar e até em um show. Já um padrinho deve ser escolhido dentro da Igreja.
     Você pode ter amigos dos mais variados tipos, pode colocar todos dentro da sua casa para conviverem com o seu filho e ensiná-lo a respeitar todos, mas o padrinho dele tem que se encaixar naquilo que a Igreja pede, para que no dia em que a sua postura ou suas companhias estiverem prejudicando a criança exista uma referência para apontar onde está o erro. Mas essa, é apenas a Minha Humilde Opinião.

As: Bruno Santos