domingo, 9 de julho de 2017

"Invadindo" a Praia

     No ano de 1985 a Banda de Rock Ultraje à Rigor lançava seu LP de estréia. A Seguir veremos um trecho da música "Nós Vamos Invadir Sua Praia" que da nome ao disco:

"Daqui do morro dá pra ver tão legal
O que acontece aí no seu litoral
Nós gostamos de tudo, nós queremos é mais
Do alto da cidade até a beira do cais
Mais do que um bom bronzeado
Nós queremos estar do seu lado"

     Apesar do produtor da banda ter dito na época do lançamento que a música fazia referência à invasão da banda paulista em terreno carioca, é possível fazer outra leitura da mesma. Veja bem, no Rio de Janeiro, favelas como a da Rocinha e Vidigal possuem visão privilegiada das praias, de lá é possível vê-las com uma facilidade que pode não existir para os moradores da baixada.

     Entretanto, a facilidade de ver a praia não é sinônimo de uma chegada fácil na mesma. E essa dificuldade vai além da deficiência do transporte público ou dos altos preços da condução. Para alguém que more no Leblom ou em Ipanema, caminhar pela orla da praia nas primeiras horas da manhã durante o verão é uma atividade quase banal, tão natural quanto a compra do pão para o café da manhã. Mas, as regras mudam se você for de fora, pois para estes existem "pré-requisitos" como estar de camisa e portar documento de identidade.

     Dicotomia que foi evidenciada nos recentes casos de jovens moradores de periferias (majoritariamente negros) que foram detidos e encaminhados à delegacias da região enquanto estavam a caminho da praia, sendo tratados como criminosos em potencial que ofereciam risco para a comunidade.

     Apesar de não chegar ao ponto de envolver a polícia, essa diferenciação entre moradores e não-moradores ocorre também nas praias de Niterói, temos como caso mais explicito a situação de Itaquatiara, praia que é considerada área nobre da cidade e é amplamente frequentada por moradores de São Gonçalo. Já foram divulgados nas redes sociais casos de ataques de tubarão e até avistamento de onças pintadas com o objetivo de afastar os "forasteiros" que segundo relatos dos moradores "fazem sugeria, ouvem funk bem alto, falam palavras de baixo calão, mijam nas portas das casas, estacionam em vagas para deficientes e se comportam como selvagens".

     Essa óbvia generalização é potencializada por esteriótipos advindos de bairrismos (disputas entre bairros), mas não podemos descartar dessa relação a discriminação por cor e classe social. Afinal, um gonçalense não tem uma tatuagem na testa que o identifique, e qualquer um dos atos citados acima poderia ter sido praticado por um morador de qualquer outro lugar, inclusive por um turista estrangeiro. Ligá-los a quem não mora na região é tão somente um mecanismo de defesa que visa desmerecer o diferente, afastá-lo da área que a pouco era uma zona de conforto.

     O problema é que essa área de conforto em especial - a praia - se encaixa na categoria dos "bens de uso comum do povo". Se encaixam nessa categoria todos os bens inapropriáveis e inalienáveis, existentes no território do país, cuja utilização não pode ser restringida de forma alguma, sendo passível de uso por qualquer pessoa do povo. 

     Impedir cidadãos desse país tropical de frequentarem as praias é tão ilegal que chega a ser imoral.  Todos temos direito a desfrutar do espaço que é denominado público, seja em uma tarde na praia, um rolezinho na Praça da Bandeira ou uma manifestação nas Laranjeiras, desde que saibamos preservar esse espaço que também é nosso, pois mais do que um bom bronzeado, nós queremos estar em posição de igualdade social, mas essa é apenas a Minha Humilde Opinião.

Ass; Bruno Santos


Fontes:

Ultraje a Rigor, Nós Vamos Invadir Sua Praia, WEA, 1985.

https://territoriogoncalense.blogspot.com.br/2016/11/a-intolerancia-asquerosa-na-praia-de.html?m=1

https://jus.com.br/artigos/11417/o-regime-juridico-das-praias-marinhas

https://www.google.com.br/amp/s/extra.globo.com/noticias/rio/pm-aborda-onibus-recolhe-adolescentes-caminho-das-praias-da-zona-sul-do-rio-17279753.html%3Fversao%3Damp

terça-feira, 27 de junho de 2017

Perigo!

     Ontem a noite, voltando da faculdade, desci do ônibus em meio a uma chuva fina, mas persistente. Como faço parte da parcela da população que repudia o uso do guarda-chuva, vesti meu casaco, coloquei o capuz e avancei rumo ao meu destino.

     No caminho, fui desviando das poças d'água e das pessoas que insistem em andar devagar quando está chovendo, caçando marquises ou qualquer tapagem que me ajudasse a chegar em casa menos molhado. Em uma dessas passagens, vi uma cena curiosa. Uma mulher, bem vestida, ao perceber minha aproximação guardou o celular e segurou a bolsa com força.

     Foi a primeira vez que presenciei essa reação? Não! Será a última? Provavelmente não. Então, por quê escrever sobre esse caso em especial? Bem, eu sou um trabalhador, universitário, cristão. São "credenciais" com as quais as pessoas buscam se colocar em situação de superioridade. Não que eu concorde que algum desses títulos me façam melhor que alguém, mas existe toda uma cultura que julga dessa forma e é nela que vivemos.

     O ponto crucial aqui é o seguinte: minha carga horária de 8 horas cumprida, minha carga de leitura ou minha cristandade não saltaram aos olhos daquela senhora bem vestida debaixo da marquise. O que saltou aos olhos dela foi a imagem de um jovem negro de capuz se aproximando.

     Nenhum outro tipo de qualificação que eu venha a alcançar nessa etapa da minha vida irá sobressair sobre o fato de eu ser negro. E ser negro coloca em você um grande letreiro luminoso que diz "FIQUE ALERTA". Seja andando na rua, dentro de uma loja ou entrando em um ônibus. Sou olhado como um elemento perigoso em potencial.

     É controverso pensar que as pessoas que temem a minha aproximação hoje são descendentes daqueles que compravam e vendiam meus antepassados. Quando será que isso mudou? Quando foi que o negro submisso se tornou o " mal feitor"? Bem, ainda não sei, mas sei que essa imagem foi bem divulgada, poi até mesmo EU me tremo ao perceber a aproximação da minha gente.

     Para finalizar, um recado, as pessoas são mais do que aparentam, o engravatado branco pode ser um deputado corrupto que desvia dinheiro da merenda de criancinhas, o jovem negro encapuzado pode ser um trabalhador, universitário, cristão que só quer chegar em casa, jantar, tomar um banho e dormir para recomeçar a rotina no dia seguinte. Não devemos julgar o livro pela capa! E essa é a Minha Humilde Opinião.

Ass; Bruno Santos

segunda-feira, 26 de junho de 2017

O homem e o pote.


  Em uma cidade do interior, havia um certo homem muito humilde e piedoso, que precisava ir muito longe para pegar água em um poço. Aquele era o único na região e atendia a muitas famílias.

  Um dia, não se sabe o motivo, esse poço secou e as famílias da região começaram a passar por dificuldades. Um anjo do Senhor que passava pela região viu a aflição do povo e resolveu ajudar.

  Em plena madrugada, o anjo apareceu ao homem piedoso enquanto este, preocupado com o futuro de sua família, encarava um pote vazio encima da mesa, e disse:

- O Senhor viu o sofrimento de seu povo e se compadeceu, agora, eu abençoo este pote que você tanto olhava. Ele não se esvaziará até que o poço volte a encher, desde que você o use com sabedoria, bondade e não revele a ninguém sua natureza.

  Depois disso o anjo sumiu, deixando o homem de boca aberta e na sua frente o pote cheio de água limpa. O homem, ainda desnorteado, provou a água e ao ver que era mesmo potável virou para tomar um gole, mas a água do pote não baixou e ele quase se engasgou.

  Ao ver que o anjo havia falado a verdade, ele soube o que precisava fazer: encheu todas as vazilhas e baldes da casa e no meio da madrugada foi até a casa de cada um de seus vizinhos enchendo seus baldes e os bebedouros dos animais, sem que o nível de água no pote diminuísse sequer um dedo.

  O poço ficou seco durante nove meses e durante todo esse tempo o homem saía de madrugada para prover água a sua família e a todas as outras da região. Ele ficava muito cansado, pois depois de toda essa caminhada precisava voltar para sua casa e trabalhar nas plantações, mas ele sabia que se não fizesse desta forma o pote poderia se tornar tão seco quanto o poço.

  Em uma certa madrugada, o homem acordou como de costume para pegar a água do pote, mas este estava vazio. Ele entrou em pânico, começou a pensar de quem poderia ter esquecido, que atitude poderia ter tido para que o anjo tirasse sua bênção, mas não conseguiu encontrar a resposta então, com o pote em mãos, foi até o poço. Lá estava a resposta.

  O poço estava cheio novamente. O homem, eufórico, saiu pela estrada gritando de alegria: "A água do poço voltou, a água voltou! Venham todos ver, a água do poço voltou!", mas ninguém apareceu para compartilhar de sua alegria.

  Voltando para casa, o homem pensou em pegar potes e levar até o poço, mas como ainda haviam muitos cheios ele foi dormir. Quando acordou, sentiu cheiro de feijão e decidiu que naquele dia não levaria sua marmita para o campo, mas ficaria em casa e almoçaria com a sua família.

  Entretanto, ao chegar na cozinha, viu uma cena que o deixou horrorizado: o pote milagroso, presente do anjo, estava sendo usado para abrigar a salada. Ele entrou na cozinha e disse: - Esse pote não é para isso! Esse não!

  Então, pegou o pote, passou os legumes para outro lugar e declarou que aquele pote não deveria ser usado para nada naquela casa,  pois ele era especial. Um presente. A sua mulher, estranhando, respondeu: - Meu bem, esse pote quem comprou fui eu, ele não foi presente e mesmo que fosse, é só um pote. É pra isso que ele serve. Isso não é pecado.
  
  Porém, o homem foi irredutível, bateu o pé e a partir daquele dia o pote se tornou um objeto decorativo em sua casa. 
  
  Diante dessa história, o que você achou do comportamento do homem? Apenas ele conhecia o verdadeiro valor daquela vazilha, apenas ele sabia os sacrifícios que fez para mantê-la em segredo. Se fosse você, permitiria que ela fosse usada para por salada ou qualquer outra coisa? Ou você a guardaria como uma relíquia sagrada?

  Bem, usar uma vazilha para por salada não é pecado, tanto quanto uma relação sexual entre marido e mulher não é pecado, mas se você fosse José, se você tivesse visto o Anjo Gabriel dizer que sua esposa seria a mãe do Salvador, será que você não teria com Maria o mesmo cuidado que o homem teve com aquele pote? Mantê-la intocada e segura tendo em vista toda a graça que o mundo recebeu através dela? Não seria pecado que marido e mulher coabitassem, não seria pecado que Maria tivesse quinze filhos depois de Jesus. Não seria, mas será que diante de tudo que eles viram Deus realizar, diante de todas as profecias que ouviram, eles poderiam deixar as vontades da carne prevalecerem diante do Espírito? Ou eles viveriam já na Terra o Céu, onde não haverão marido e mulher, mas seremos todos irmãos? 

  Bem, esse texto enorme foi apenas para te fazer pensar sobre isso. Espero que você não tenha se decepcionado, obrigado por vir até aqui e partilhar da Minha Humilde Opinião.

Ass: Bruno Santos

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Identidade Digital

     Estamos no mundo real, temos relações reais e realizamos atividades reais, mas também estamos no mundo virtual, onde podemos ser um reflexo do que somos no mundo real, ou podemos ser o oposto, ou podemos ser ambos e ainda muito mais.

     Existem pessoas que transmitem uma certa imagem através de suas redes sociais, mas que não atendem as expectativas ao vivo, seja por causa das fotos cheias de filtros, pelas frases de efeito copiadas do Google, ou pelo "estilo de vida" que dizem seguir. Assim como as que surpreendem positivamente mostrando ser muito mais do que aparentam.

     A internet te permite escolher quem quer ser, o que causa estranhamento quando percebemos que algumas pessoas têm escolha, mas continuam sendo toscas. Machistas, racistas, nazistas e preconceituosos em geral podem destilar sua escrotidão sem temer represálias, protegidos no conforto de suas casas, no fundo de um ônibus ou sentados na privada de algum shopping.

     Essa pessoa pode ser você, seu primo ou aquele cara legal que só posta Memes com gatinhos fofos, mas que tem outros cinco perfis, um no qual é rico, um no qual é gay, um no qual é uma garota e aquele que precisa ser deletado cada vez que sofre uma denúncia, seja pelo que for.

     As pessoas vivem vidas duplas, mesmo não chegando ao exagerado exemplo acima, ter um perfil para a família e outro para os amigos já mostra que você não é sincero. E mesmo tendo um só perfil, existem páginas que você deixa de curtir e postagens que deixa de compartilhar com medo do que os outros pensarão.

     Não se pode conhecer totalmente uma pessoa, mesmo passando toda uma vida ao seu lado, então, como achar que um simples vislumbre sobre o que ela escolhe mostrar na internet te fará conhecê-la? Somos mais do que os olhos podem ver, para o bem ou para o mal e nenhuma rede social pode nos representar na totalidade.

     Tendo dito isso, gostaria de alertá-los sobre os riscos da superexposição. Riscos psicológicos, espirituais e muitas vezes riscos materiais. A cerca de 6 anos eu notei que eu tinha um problema: a primeira e a última coisa que eu fazia no dia era postar no facebook. Algo que agora as "lembranças" fazem questão de me mostrar e que me trazem tristeza (mas não tanta quanto meus erros gramaticais na época).

     Eu postava "Bom dia!"com longas mensagens, "Boas noite!" com reflexões profundas, descrevia minhas refeições (não era comum postar fotos nessa época), eu usava trechos das músicas que escutava para descrever o que estava sentindo ao longo do dia, eu ficava com os olhos vidrados na tela por horas, mesmo que não houvesse nada novo na minha timeline, eu me sentia frustrado quando me esforçava para pensar em uma postagem criativa e ninguém curtia, eu sentia o celular vibrar no meu bolso e via a luz se acender, mesmo sem nada disso acontecer, e foi então que eu notei que estava envolvido demais.

     Tive que me esforçar para lembrar que aquele aplicativo de celular era destinado ao uso nas horas vagas, esporádico, que ele não era um diário e que se eu passasse alguns dias sem postar, provavelmente ninguém notaria e isso não diminuiria meu valor como pessoa nem o carinho que meus amigos e familiares têm por mim. Notei que postar meus horários de ida, volta do trabalho, e meu dia de pagamento poderiam me tornar um alvo de sequestro. E que o tempo que eu gastava vendo memes repetidos poderiam ser revertidos para horas de leitura da palavra de Deus.

     Após essa metanóia, foi muito natural para mim levar essa forma de pensar para o meu namoro. Postar no mural do outro é lindo, mostra que você pensou nele e alegra as pessoas que torcem pela felicidade de vocês, mas isso até um certo ponto e com o respeito e prudência devidos. As brigas de vocês devem ficar entre vocês, as conquistas de vocês devem ficar entre vocês e por favor, deixem entre vocês seus apelidos e fotos íntimas. Passem mais tempo conversando e menos tempo se marcando, para que após o casamento, vocês não precisem se dar conta que caráter não tem photoshop.

     A internet foi uma ferramenta - originalmente - desenvolvida para uso militar, como o microondas ou o para-quedas, ela não é ruim, ela é o que se faz com ela. Seu principal objetivo é compartilhar informações, com rapidez e precisão, nos ajudar a saber o que acontece ao redor do mundo, mas isso não precisa incluir o interior da sua casa, e essa é apenas a Minha Humilde Opinião.

Ass: Bruno Santos

terça-feira, 18 de abril de 2017

Geração Comunicação

  Choques de geração não são uma novidade. Sempre tem algo mudando, dificultando o convívio e criando um tipo de abismo entre pais e filhos.

   Uma reclamação frequente por parte dos filhos gira em torno da dificuldade de dialogar com seus pais. Isso, provavelmente, se dá ao fato destes terem sido educados em um regime no qual não tinham direito a fala. Não podiam argumentar contra os castigos impostos, não podiam dar opiniões nas conversas dos adultos e nem se posicionar sobre assuntos mais complexos.

    Esses pais viveram em um tempo sem computadores ou celulares, o que os obrigava a se comunicar verbalmente com todos ao seu redor, mas falar sobre problemas acaba se apresentando um tabu.

   Discutir o relacionamento de forma aberta também é uma prática muito atual. Antigamente se casava (as vezes com um desconhecido) tendo em mente que era para sempre e as pessoas iam se suportando enquanto desse. Diálogos mais densos, com a exposição dos defeitos alheios, frequentemente levavam ao divórcio, mesmo que temporário.

    Hoje temos uma geração que aprendeu a falar sobre seus sentimentos, sobre coisas e situações que não eram debatidas, mas sempre existiram. Uma geração que tem espaço, voz e vez. Que reconhece seus direitos e luta por eles.

    Isso pode até fazer a nossa geração parecer fraca aos olhos dos mais velhos, por reclamar daquilo que eles passaram calados. Mas, por quê alguém precisa estar errado para que o outro esteja certo? Somos seres humanos, todo o contexto histórico influencia na forma como nos comportamos e isso deve ser levado em conta.

    Antes, ser chamado de gordo ou rolha de poço era apenas uma zuação entre amigos. Hoje, é bullyng. Antes, ser chamado de tizil ou macaco era apelido, hoje é racismo, sim! Antes, a inferiorização da mulher e até mesmo as diversas formas de violência contra a mesma era algo a ser resolvido dentro de casa. Quem nunca ouviu a máxima: "Em briga de marido e mulher ninguém mete a colher"? Hoje, o movimento feminista vem ganhando força e as leis de proteção à mulher sendo cumpridas.

   Muitas das vezes seus pais não conversam com você não porque não querem, mas porque não sabem como fazer isso e até mesmo nem entendem o que você está falando. Não posso exigir que minha mãe tenha um posicionamento sobre apropriação cultural ou racismo reverso, nem que ela converse abertamente comigo sobre sexo se os pais dela não fizeram isso com ela.

     Tenhamos paciência com nossos pais, avós e tios. Com qualquer pessoa mais velha que sabemos fazer parte de uma geração bem diferente da nossa. Como diria Renato Russo, eles "são crianças como você ", também estão aprendendo e aprenderão até o último dia de suas vidas, se você estiver por perto para ensinar, mas essa é apenas a Minha Humilde Opinião.

Ass: Bruno Santos

Colaboração de: Caroline Macedo